03/11/2016
A abordagem PCI é apresentada à liderança em Buenos Aires


Em Buenos Aires, gestores de organizações locais e multinacionais se reuniram para conhecer a metodologia PCI® (People-Centred Implementation) da Changefirst® nos dias 26 e 27 de Outubro. Estiveram presentes 24 representantes de segmentos variados como telecomunicações, manufatura, farmacêutico, agronegócio, óleo e gás, entretenimento, financeiro, serviços, entre outros.

Simone Costa, sócia-diretora da Dextera apresentou as tendências em gestão de mudança, ressaltando o desenvolvimento dos líderes como protagonistas do processo de transformação organizacional se tornou prioridade nas organizações. Um estudo global1 mostrou que apenas 17% das empresas se consideram eficazes na gestão de seus processos de mudança. “Se olharmos sob a perspectiva das grandes mudanças, precisamos preparar os líderes para que eles atuem de forma mais participativa e que apoiem suas equipes nos processos de mudança. Além disso, sem que eles tenham um papel plenamente atuante, não poderão dimensionar a real capacidade organizacional versus a demanda por mudança, levando as pessoas ao esgotamento, uma das razões que levam tantas iniciativas ao fracasso”, alertou Simone. Esta é uma das primeiras condições que as organizações precisam reconhecer, se querem elevar sua capacidade e maturidade para implementar iniciativas de mudanças.

Para Cecilia Rodriguez, diretora da Sollertia, parceira da Dextera para entrega de soluções em gestão de mudança na América Latina, esta tendência tem sido acompanhada pelas empresas argentinas. “Pudemos avaliar entre os profissionais com os quais nos relacionamos, a percepção do quão importante é uma liderança atuante, por isso, foi extremamente oportuno e relevante apontar um caminho para este desenvolvimento”, considerou.

E como a metodologia PCI da Changefirst pode ajudar neste processo de maturidade? Esta abordagem compreende seis Fatores Críticos de Sucesso que ajudam os responsáveis pela mudança (dos vários níveis hierárquicos) a garantir que os requisitos organizacionais sejam postos em prática e que as necessidades locais durante a mudança sejam administradas com eficácia. Inclusive, dois dos fatores são voltados exclusivamente para a atuação da liderança.

Utilizando PCI, os executivos podem aperfeiçoar seu desempenho na mudança através de avaliações, monitoramento e patrocínio efetivos. Os agentes e especialistas em mudança podem construir e implementar planos de mudança centrados nas pessoas para melhorar a gestão dos aspectos comportamentais dos projetos de mudança. Os gestores, por sua vez, podem desenvolver habilidades para implementar a mudança tanto em nível organizacional como local, levando em conta as especificidades de cada área e equipes impactadas.

Todos podem contar com o suporte do e-change, a plataforma eletrônica na nuvem que permite implementar processos de gerenciamento de mudanças em escala, de forma rápida e com ótima relação custo-benefício. Para acelerar o avanço da organização entre os vários níveis de maturidade, os profissionais ainda têm à disposição os serviços de mentoria e shadow consulting, que podem ajudar na incorporação do novo conhecimento, novas habilidades e dos processos de mudança. Já os executivos podem receber suporte e coaching para conhecer seu papel de líder de mudança e aprimorar habilidades e comportamentos.

Veja as fotos aqui.

1Change Agents – The Role of Organizational Learning in Change Management, ASTD/i4cp (2014) com 765 profissionais de aprendizagem e negócios.



< voltar



Imprimir Indique esta página